O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE - encerrou nesta quarta-feira, 28, em Goianésia o Projeto Sustentabilidade Agroflorestal voltado aos produtores de seringais da região. A culminação do projeto aconteceu na sala de treinamentos do SEBRAE e além de contar com a participação de dezenas de produtores, contou também com a presença de representantes da APROB-GO/TO - Associação dos Produtores de Borracha Natural dos Estados de Goiás e Tocantins, e ABRABOR - Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha Natural.

Através da oficina “Custos de Produção em Seringais”, os produtores puderam elaborar uma planilha no sentido de ter um retrato real se eles estão tendo lucro ou prejuízos com a atividade.

“Durante a realização do projeto percebemos que 92% os produtores não tinham ideia de quanto custava para produzir a borracha. Dentro disto fizemos uma equipe multidisciplinar com especialistas da área de economia e criamos uma cartilha de custo de produção pra quem já está com o seringal estabilizado, e esta oficina é muito importante porque o produtor vai ter um retrato real se ele está tendo lucro ou prejuízo na atividade, e quais os pontos a serem melhorados”, explicou Lívia Pelá Corrêa, consultora do SEBRAE.

“Esta oficina eu encaro como de vital importância pra gestão de atividade de borracha na região de Goianésia, porque nós trabalhamos com uma cartilha e uma planilha de custos de produção onde o produtor vai poder dentro da sua propriedade, dentro da sua realidade, calcular o seu custo de produção e fazer a gestão deste custo. Não é uma simples planilha de cálculo de custo, mas sim com informações e análises que possibilita o produtor fazer o gerenciamento do custo, da alternativa, e dos seus resultados econômicos”, enalteceu Marli Dias Mascarenhas Oliveira, pesquisadora científica e agrônoma do Instituto de Economia Agrícola.

José Fernando Canuto Bensi, diretor executivo da APROB, disse que acompanha a implantação dos seringais em Goianésia já há 30 anos, mas agora os produtores estão entrando em uma etapa muito importante. “Goianésia hoje tem uma das maiores produtividade de borracha entre os países produtores no mundo, devido a sua tecnologia e capacidade dos produtores. Agora, com este trabalho importantíssimo, os produtores poderão saber exatamente onde que está sendo sua deficiência na gestão do seu seringal”.

Representando a ABRABOR, Diogo Esperante, explicou que é importante o desenvolvimento de ferramentas para que o trabalho continue evoluindo e os produtores não tenham apenas melhores resultados, mas que também possam planejar melhor a sua atividade.

Pedro Roncato, um dos produtores de borracha de Goianésia e participante do projeto, disse que a oficina irá ajudar descobrir os gargalos da atividade. “Nós somos meros tomadores de preço, então, eu acho que como o foco é o pequeno e o médio produtor, ter um controle melhor dos custos pra ele saber quais são os gargalos que pode otimizar, ter um custo mais competitivo e consiga manter a atividade lucrativa, mesmo no cenário tão adverso quanto a gente vem enfrentando”.

O Projeto Sustentabilidade Agroflorestal foi trabalhado junto aos produtores de borracha um ano e meio onde surgiu a demanda da cartilha e também da planilha trabalhada durante a oficina.