As equipes de buscas e salvamento formadas pelos Bombeiros de Goiás e do Distrito Federal que procuravam por Romilda de Fátima Santana, de 72 anos, que está desaparecida desde o dia 03 de janeiro, suspenderam as buscas por não achar nenhuma pista de onde ela possa estar, porém, o Comando do Corpo de Bombeiros de Niquelândia salientou que as buscas podem ser retomadas a qualquer momento, desde que surja alguma pista de onde ela possa estar. As informações são do Plantão de Notícias 24 Horas.

Romilda está desaparecida desde 03 de janeiro quando saiu no período da manhã para fazer caminhada na fazenda Rio do Peixe, Zona Rural de Niquelândia. Os bombeiros foram acionados por volta das 16h30 daquele dia e desde então iniciaram as buscas pela região contando o auxílio de cães farejadores, mergulhadores, drones, helicópteros, militares do Corpo de Bombeiros de Goiás e Distrito Federal, bem como Agentes da Polícia Civil dos dois lugares.

A única pista relacionada à Romilda foi o cachorro que estava em sua companhia ter voltado para casa na quarta-feira, 06. O animal estava cansado, sedento e faminto. Mas dela não foi achada nenhuma pista que pudesse levar ao seu paradeiro.

Após 10 dias de buscas os trabalhos foram suspensos. Agora, cabe à Polícia Civil seguir com as investigações para elucidar os fatos do desaparecimento da idosa. No dia em que desapareceu, Romilda estava vestida com as roupas que aparece na foto acima.

É importante ressaltar que caso Romilda, de fato, não seja encontrada, ela será a 4ª pessoa que desaparece em Niquelândia sem deixar nenhuma pista. O primeiro caso aconteceu em 27 de março de 2016, quando o senhor Odilon Lopes dos Santos, de 89 anos, saiu de sua residência, que fica na região do Riacho Fundo para ir até a casa de um compadre, que morava próximo. Ele desapareceu no caminho e nunca mais foi visto.

O segundo caso de desaparecimento foi registrado por volta de 20 de agosto do mesmo ano. Valdemir Pereira Martins saiu de casa, que fica nas proximidades do Bairro Boa Vista, e não retornou. Buscas foram realizadas afim de localizar o paradeiro de Valdemir, mas sem ter pistas de onde ele pudesse estar, nada pôde ser feito. Assim também foi com o senhor Odilon Lopes, diversas buscas foram realizadas na região, mas nenhuma pista de onde ele pudesse estar foi encontrada.

O terceiro caso aconteceu dois anos depois, mais precisamente no dia 22 de julho de 2018 quando o Corpo de Bombeiros recebeu informações do desaparecimento de José Lopes do Nascimento, na região da Anglo American. Na casa onde ele morava sozinho não havia sinais de arrombamento e o aparelho celular dele foi encontrado junto com a carteira, dinheiro e outros documentos, que estavam em uma bolsa pendurada na parede. Mais de 30 pessoas participaram das buscas, mas sem êxito.

Nas fotos, Odilon Lopes sentado na cadeira; Valdemir Pereira de camisa amarela; José Lopes sentado na bicicleta e Romilda de Fátima. Todos desaparecidos em Niquelândia, e com as mesmas características de desaparecimento. Saíram de casa para ir em algum lugar e não retornou mais, e nem deixou pistas de onde pudesse estar.