G1 Goiás - Um homem de 43 anos foi preso suspeito de matar a própria mãe, de 70, esfaqueada enquanto ela dormia, em São Patrício, a 188 km de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, no dia do crime, o suspeito mentiu que ela havia sido morta por um assaltante e chegou até a ir ao velório. Após ser descoberto por uma denúncia anônima, o suspeito confessou o crime à polícia e disse que matou a mãe porque ela brigou com ele quando chegou tarde em casa.

Segundo a polícia, o suspeito não apresentou advogado de defesa.

O crime aconteceu na madrugada de sábado, 10, para domingo, 11. De acordo com o delegado Ricardo Pereira Alvares, titular da delegacia de Carmo do Rio Verde e responsável pelo expediente da subdelegacia de São Patrício, no dia do crime o suspeito chegou a ser ouvido pela polícia, mas foi solto devido à ausência de requisitos para a autuação em flagrante.

Segundo o delegado, o suspeito vai responder pelo crime de feminicídio, com aumento de pena devido a falta de possibilidade de defesa da vítima, que estava dormindo, e por motivo fútil, e pode cumprir de 12 a 30 anos.

“Ele teria chegado tarde em casa na noite de sábado para domingo, por volta de 01h00, a mãe chamou a atenção dele, porque ele estava chegando só tarde. E, segundo ele, ela chamou ele de vagabundo. E após essa breve discussão, eles foram dormir, mas ele levantou e veio na cabeça dele a vontade de matar a mãe. Ele pegou faca e deu dois golpes no peito, com ela dormindo”, disse o delegado.

À polícia, o suspeito disse que não ingere bebidas alcoólicas e não faz uso de drogas, e que estava em seu estado normal.

Suspeito foi ao velório
Ainda conforme o delegado, o suspeito não foi preso em flagrante, porque, logo após o crime, ele saiu gritando na rua, pedindo socorro aos vizinhos e dizendo que um assaltante teria invadido a casa e esfaqueado a mãe dele.

“Os vizinhos acudiram, a Polícia Militar foi ao local, e a principio nós acreditamos na versão inicial dele. Mas passado o dia inteiro, ele foi ao velório e ao enterro da mãe, e no fim da tarde de domingo, alguém informou que teria sido ele o autor. A polícia fez a detenção dele, que não era mais em flagrante, ele foi ouvido e confessou todo o crime, e foi representado pela prisão preventiva dele”, explicou o delegado.

O preso foi submetido a relatório médico e recolhido na Unidade Prisional de Uruana, à disposição do Poder Judiciário.