O Popular - O Centro de Operações de Emergências - COE - estadual de combate ao novo coronavírus deliberou o adiamento do retorno das aulas presenciais em Goiás para setembro. O grupo havia feito uma previsão de retorno em agosto, mas ela foi revista por conta do atual cenário epidemiológico, com aumento de infectados e mortes.

O posicionamento do COE deve ser seguido pelos representantes das escolas públicas e privadas de Goiás, conforme já sinalizado.

A reunião do COE, que ocorreu nesta quarta-feira, 22, também deliberou que não há proibição das escolas já realizarem atividades presenciais administrativas com a presença de professores, desde que seguindo protocolos de segurança, como distanciamento e uso de máscara.

A decisão de retorno em setembro poderá será discutida novamente no dia 15 de agosto e poderá ser revista, dependendo do cenário epidemiológico do Estado na época. As aulas presenciais em Goiás foram interrompidas entre os dias 15 e 18 de março.

O adiamento da previsão de retorno para setembro foi baseada em um estudo técnico realizado por um subgrupo do COE. O estudo também avaliou um projeto de protocolo apresentado na semana passada pelo sistema educativo de Goiás com uma série de regras para as escolas seguirem quando ocorrer o retorno das atividades presenciais.

Este subgrupo defendeu que o protocolo deve ser mais detalhado, com regras mais específicas sobre o que fazer quando há algum aluno com suspeita de ter Covid-19, regramentos específicos para o Ensino Superior, uso de refeitórios e cantinas, entre outros parâmetros.

O prazo de suspensão das aulas presenciais até 30 de julho, em nota técnica da Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO), deve ser estendido para 30 de agosto.