O governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa do Estado de Goiás projeto de lei que propõe implantar ensino médio à distância na rede púbica de educação. O programa recebeu o nome de Ensino Médio ao Alcance de Todos e, segundo a matéria, tem o objetivo estabelecer a educação pública “por mediação tecnológica em distritos, zonas rurais e regiões de difícil acesso ou que possuam carência de professores habilitados por área de conhecimento”. O texto deve começar a ser discutido na Assembleia a partir da primeira sessão da próxima semana, na terça-feira, 02.

De acordo com o projeto, o programa será composto por aulas ministradas em estúdio por professores habilitados por área de conhecimento, e transmitidas em tempo real para estudantes que estarão em salas interativas em suas comunidades. O texto afirma que os alunos devem estar acompanhados por um professor mediador.

Líder do governo na Assembleia, Bruno Peixoto (MDB) afirma que a pandemia de Covid-19, que provocou a suspensão de aulas presenciais nas escolas, não foi o fator determinante para que o Estado encaminhasse o projeto à Casa, mas acelerou o processo. “Com o projeto, o Estado atenderá número maior de famílias e com qualidade. Poderemos chegar em várias localidades que ainda não possuem estrutura”, diz.

Para a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), Bia de Lima, é preciso aguardar que as aulas presenciais retornem para avaliar qual o resultado efetivo do ensino à distância realizado nos últimos meses e dialogar sobre a proposta em seguida. “Nós valorizamos o esforço de levar educação aos quatro cantos do Estado, às pessoas isoladas. Mas outra coisa é querer simplesmente esticar o ensino médio. É Oferecer sem oferecer. O ensino presencial tem qualidade questionável em alguns casos, imagine à distância. Precisamos dialogar antes”, afirma Bia.