O governo estadual publicará um novo decreto com regras mais abrangentes sobre a abertura de empresas na capital e interior para evitar a propagação do coronavírus no Estado. Hoje, primeiro dia de vigência do decreto 9.637, que determinou a interrupção de todas as atividades em feiras, shopping centers e estabelecimentos localizados em galerias ou polos comerciais, muitos comerciantes ainda tinham dúvidas e abriram as portas. Isso motivou a formulação de um novo decreto, que deve abranger também outros setores, como as indústrias e empresas de serviços.

O novo decreto também deve abranger segmentos como a construção civil e serviços de call center, que ainda não tiveram determinação de fechar. Só as indústrias de cadeias de alimentação, saúde e segurança devem continuar funcionando, como de medicamentos, inclusive veterinários, materiais hospitalares e médicos, alimentos, higiene e limpeza, GLP (gás de cozinha), gases medicinais, combustíveis, equipamentos utilizados na segurança pública, ração animal, produtos agropecuários, sistema bancário e lotérico e portaria e vigilância patrimonial, sistema de transporte público, táxis e transporte por aplicativos e lavanderia hospitalar.

Mas a procuradora-geral do Estado, Juliana Diniz, alerta que as empresas que continuarem funcionando deverão adotar os cuidados necessários para garantir a segurança de funcionários e de eventuais visitantes. Entre estas medidas, estão o revezamento de funcionários, espaçamento entre as plataformas de trabalho e a oferta de materiais de limpeza e desinfecção, como álcool gel. Bancos e supermercados também devem controlar a entrada de clientes para evitar aglomerações.