A Polícia Civil, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos, deflagrou, nesta terça-feira, 21, a Operação Bad Vibes, em Anápolis.

A operação é coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, através do Laboratório de Operações Cibernéticas da Diretoria de Operações Integradas e de Inteligência (CIBERLAB/DIOPI/SENASP), e acontece em conjunto com as Polícias Civis de 13 estados (Amazonas, Santa Catarina, Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Piauí, Espírito Santo, Bahia, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul), voltada ao cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão como parte de esforço nacional de repressão à exploração sexual de crianças e adolescentes.

O texto da publicação continua após a publicidade

A ação integrada, agora na terceira fase, teve como ponto de partida informações prestadas pela agência da Homeland Security Investigations (HSI) da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília.

A Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão, ocasião em que o investigado, um homem de 37 anos, acabou sendo preso em flagrante por armazenamento de material de exploração sexual infantil.

A operação faz parte das ações do Maio Laranja, mês dedicado à conscientização e prevenção da exploração sexual de crianças e adolescentes. Durante este período, a Polícia Civil intensifica suas atividades, realizando palestras, ações educativas e operações policiais para garantir que os responsáveis por esses crimes sejam identificados.

O nome da operação está ligado ao fato de os crimes terem sido praticados por meio de uma plataforma de mensageria. A operação foi nominada Bad Vibes, que significa “más vibrações” ou “más energias”.