O Hospital Estadual do Centro-Norte Goiano (HCN) realizou nesta quarta-feira, 06, a 12ª captação de órgãos desde 2022. O procedimento de captação de rins, baço e córneas durou aproximadamente cinco horas e teve o apoio da equipe da Central Estadual de Transplantes (CET), que realizou o transporte de Goiânia para Uruaçu com avião do Serviço Aéreo do Estado de Goiás (SAEG). Em 2023, Goiás bateu recorde histórico com 98 famílias doadoras. O HCN já realizou neste ano seis captações e esta é a segunda em menos de 15 dias.

A doadora era uma mulher de 21 anos que sofreu um acidente automobilístico. Durante todo o processo, desde a chegada da paciente ao hospital até a realização do procedimento, a família teve apoio da equipe multidisciplinar e médica, incluindo psicólogos e assistentes sociais do HCN.

O texto da publicação continua após a publicidade

Segundo Katiuscia Freitas, gerente da Central Estadual de Transplantes, o progresso nos números alcançados pelo estado reflete a sensibilidade das famílias doadoras, somada aos investimentos em treinamentos e capacitações para a equipe. “A Central de Transplantes de Goiás continua dedicada a sensibilizar a população sobre a importância da doação de órgãos, ao mesmo tempo em que assegura uma logística eficiente para o sucesso desses procedimentos. Cada doação representa um passo em direção a uma esperança de vida para aqueles que aguardam na fila de espera”, ressalta a gerente.

A coordenadora de enfermagem da UTI Adulto do HCN, Leide Vaniele Ribeiro Santos, destaca que o gesto de familiares de um mesmo doador pode beneficiar várias pessoas. “Milhares de vidas são salvas graças à doação de órgãos. O transplante pode ser a única esperança para as pessoas que precisam da doação, por isso é importante sempre falarmos sobre o tema e incentivarmos a doação”, ressalta Leide.

A unidade do Governo de Goiás, em Uruaçu, com administração do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimentos (Imed), instrui e estimula familiares e pacientes sobre a importância de ser um doador. As famílias são abordadas e amparadas pela equipe multidisciplinar da comissão responsável, composta por profissionais do serviço social, psicólogos, equipe médica e de enfermagem, entre outros departamentos importantes para a efetivação da captação.

Fila de espera
O Brasil tem aproximadamente 58 mil pessoas na fila de espera por um transplante de órgão. Desses, 28 mil aguardam um rim e 19 mil esperam por uma córnea. Referência nesse tipo de procedimento, o Brasil é o segundo país do mundo em número de transplantes.

Os órgãos doados vão para pacientes que aguardam na fila única do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), que avalia critérios como compatibilidade, idade, doenças associadas e grau de urgência, conforme avaliação da equipe cirúrgica. No Brasil, para ser doador não é necessário deixar nada por escrito, em nenhum documento, basta conversar com sua família sobre seu desejo de ser doador.