Segundo a PC, Thiago Belchior e o pai, Marcos Antônio, chegaram a participar do planejamento do crime, mas acabaram assassinados (Imagem: Reprodução/Redes sociais) O caso dos seis membros de uma mesma família que desapareceram na última semana ganhou novos contornos nesta quarta-feira, 18, com uma nova linha de investigação da Polícia Civil de Goiás que diz que os dois homens, marido e sogro da cabeleireira Elizamar da Silva, que até então eram suspeitos de terem encomendado a morte da família, também podem ter sido assassinados.

Segundo o delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, Alexandre Pinto Lourenço, a instituição agora também trabalha com a hipótese de Thiago Gabriel Belchior e seu pai, Marcos Antônio Lopes, também terem sido mortos durante o planejamento do crime. O número de pessoas que podem ter sido assassinadas, agora, chega a 10, devido ao desaparecimento também da amante de Marcos e filha dela.

O texto da publicação continua após a publicidade

Em entrevista ao programa à TV Anhanguera, na manhã desta quarta, Lourenço disse que, com o desenrolar das investigações e as prisões efetuadas - três, até o momento - a “dinâmica do crime se descortina” e se apresenta como um caso de crime patrimonial, seja extorsão mediante sequestro ou sequestro relâmpago.

A princípio, havia a suspeita de que Thiago Belchior, marido da cabeleireira Elizamar, e o pai dele, Marcos Antônio, pudessem ter encomendado a morte da família com a promessa de pagar aos executores o valor de R$ 100 mil, provenientes de R$ 400 mil fruto de uma propriedade vendida pelo patriarca da família.

No entanto, a Polícia Civil agora acredita que pai e filho chegaram a participar do planejamento do crime, mas após desentendimentos com os executores, também foram mortos. Ainda segundo o delegado-geral, Thiago e Marcos teriam ficado, inclusive, confinados no cativeiro em Planaltina junto com as outras vítimas.

Lourenço afirmou que, agora, a Polícia Civil trabalha com a possibilidade de 10 pessoas terem sido assassinadas. São elas: Elizamar da Silva e seus três filhos; Thiago Belchior e seu pai, Marcos Antônio; Renata Juliene e Gabriela Belchior, mãe e irmã de Thiago; a amante de Marcos e a filha dela, cujos nomes não foram divulgados.

Vale destacar que quatro corpos carbonizados já foram encontrados no dia 12 de janeiro em um carro que seria de Elizamar, em Cristalina, no Entorno do DF. No dia seguinte, 13 de janeiro, outro carro foi encontrado carbonizado com dois corpos dentro, esse em Unaí, em Minas Gerais.

Foram presos, até o momento, Fabrício Silva Canhedo, Horácio Carlos Ferreira e Gideon Batista de Menezes. A Polícia Civil segue investigando e criou, inclusive, uma força-tarefa para o caso.



Fique bem informado, nos acompanhe em nossas redes sociais
Telegram
Instagram
Twitter
Facebook - Grupo
Facebook - FanPage
WhatsApp - Grupo