São Paulo (CNN Brasil) - Apesar dos números melhores da pandemia no Brasil, o chefe do Departamento de Infectologia da Univesidade Estadual Paulista (Unesp), Alexandre Naime, fez um alerta de que “nunca se pode dar um quadro por vencido” diante de agentes infecciosos como o coronavírus, que se adaptam e formam novas variantes.

Para Naime, as medidas sanitárias como uso de máscaras, evitar aglomerações e distanciamento social deverão ser mantidas durante um longo período: “Seguiremos por 2, 3 anos nessa luta até que a taxa de transmissão do vírus caia bastante. Aí, sim, poderemos tirar máscaras com total segurança.”

O texto da publicação continua após a publicidade

O infectologista acredita que surgirá uma “nova realidade”, em que países com ampla vacinação ainda terão alta circulação do vírus: “As vacinas não vêm com o objetivo de evitar transmissão, o grande benefício é diminuir o risco de óbito e hospitalização. Temos que continuar com as medidas de prevenção.”