Imagem: Cidade Alerta/RecordTvUma história recheada de mistério vem tomando conta das páginas policiais do Brasil. O desaparecimento de cinco adolescentes, com idade entre 14 e 15 anos, tem intrigado as forças policiais da região do Grande ABC (SP). A principal linha de investigação da polícia é que os jovens Taiane, Enzo, Wellington, Thiago e Luiz, poderiam estar participando de uma seita.

Os adolescentes deixaram suas casas na madrugada desta segunda-feira, 08. De acordo com as investigações, os menores estudavam na mesma escola e, segundo informações da família, Taiane e Enzo eram namorados. A adolescente é a única da lista a ser flagrada, por uma câmera de monitoramento, no exato momento em que entrava em um veículo branco, onde supostamente seu namorado também estava.

O texto da publicação continua após a publicidade

As investigações mostram ainda que um sexto jovem deveria ter se juntado aos outros, porém, acabou desistindo. Cartas e códigos foram deixados pelos menores. Cada um dos bilhetes conta com destinos diferentes, como Argentina, Noruega e até Japão. Em mensagens encontradas em um aplicativo, os jovens falavam sobre a polícia nunca os achar e a vontade de não serem encontrados.

A polícia disse ainda que em outras partes da conversa, os estudantes falaram sobre um suposto mestre. Os pais dos adolescentes acreditam que esse “mestre” seria uma pessoa com mais de 18 anos e que teria articulado todo o plano, inclusive ditando as regras do que os jovens deveriam fazer.

A mãe do Enzo disse que o filho não demostrou nenhum comportamento diferente nos últimos dias. No dia do desaparecimento, ela notou que ele levou o cobertor, o travesseiro e poucas roupas. Já a mãe de Taiane revelou que a forma como a carta foi escrita não correspondia ao jeito da jovem se expressar. Ela contou que a filha sempre fazia vídeo-chamadas à meia-noite e nessas ligações os jovens rezavam. O pai de Wellington também não percebeu nada de estranho no filho.

O que intriga mais as forças policiais é que em todas as cartas há um ponto em comum: a informação de que não voltariam tão rápido, mas retornariam.