Nas últimas 24 horas, 256 novas mortes por causa da covid-19 foram registradas no Brasil, atingindo um total de 166.067 óbitos desde o início da pandemia. Dezesseis estados e o Distrito Federal apresentam tendência de aumento na média de mortes diária.

O levantamento foi feito pelo consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. Em quatro estados, a tendência é de queda na média diária de mortes, e a situação permanece estável em outros seis.

O texto da publicação continua após a publicidade

Em todo o país, foram registrados 16.150 novos diagnósticos positivos para a doença de ontem para hoje. Desde o começo da pandemia, 5.876.740 pessoas foram infectadas com o novo coronavírus no Brasil. Na última semana, a média de mortes, por dia, foi de 490.

Dados da Saúde
Segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde, o Brasil registrou 216 novas mortes causadas por covid-19 nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, houve 166.014 óbitos provocados pela doença.

De ontem para hoje, foram confirmados 13.371 novos diagnósticos positivos, elevando o total de infectados para 5.876.464 desde o começo da pandemia.

O Ministério da Saúde informou que 5.322.406 pessoas se recuperaram da doença, com 388.044 em acompanhamento.

Três regiões têm tendência de aumento
Seguindo os números do consórcio de veículos de imprensa, a média diária de 490 mortes na última semana representa um aumento de 34% na comparação com 14 dias atrás.

Entre as regiões, Centro-Oeste (56%), Sudeste (41%) e Sul (56%) apresentaram aceleração (ou seja, tendência de alta) na média diária de mortes. O Nordeste (-4%) e o Norte (15%) permaneceram estáveis.

Alguns estados com números mais baixos de mortes podem apresentar uma grande variação percentual na média.

Para medir a situação das mortes por causa da covid-19, especialistas indicam usar a média móvel dos óbitos, que calcula a média de registros observada nos últimos sete dias. A operação é a mais adequada para observar a tendência das estatísticas, por equilibrar as variações abruptas dos números ao longo da semana.

O consórcio de veículos de imprensa adotou esse período para verificar as oscilações na média móvel. É possível falar em queda nos números quando a diminuição é maior do que 15% se verificado nos últimos 14 dias - no caso, o período das duas últimas semanas. Caso os números aumentem mais do que 15%, há aceleração da epidemia. Valores intermediários indicam estabilidade.