Homem que cumpre pena no semiaberto por abusar de enteado é preso suspeito de estuprar a filha - Imagem: Divulgação/PCG1 - Um homem de 35 anos foi preso suspeito de estuprar a filha, de 11, na casa onde moravam em Goiânia enquanto a mãe dela e os outros três irmãos estavam na igreja. Ele usava tornozeleira eletrônica porque cumpria pena no semiaberto após ser condenado por estuprar o enteado, irmão da vítima, em 2013.

Segundo a delegada Ana Elisa Gomes, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente - DPCA, ele confessou o crime e disse acreditar ter “algum problema” por ser um impulso que não consegue controlar. O G1 não conseguiu localizar a defesa dele para pedir um posicionamento sobre o caso.

O texto da publicação continua após a publicidade

“Ela foi abusada por ele entre 20 e 30 minutos. Começou no banheiro enquanto ela estava no banho. Depois a levou para o quarto. Ela relatou muita dor e os exames comprovaram várias lesões na vítima”, relatou a delegada.

‘Medo’
Ainda de acordo com a delegada, a menina contou que “sempre teve medo dele” porque ela mesma presenciou, aos 4 anos, o pai estuprando o irmão dela, que à época tinha 11.

O abuso da menina ocorreu na noite de domingo (10). Logo depois, ela disse que foi à igreja encontrar a família. No entanto, a menina só conseguiu contar para a mãe na madrugada. Assim que o homem saiu de casa para trabalhar na em uma cooperativa de reciclagem, no complexo prisional, mãe e filha foram à DPCA e denunciaram o caso.

“A menina contou em detalhes tudo que aconteceu. Quando a mãe ouviu, passou mal, lembrando do processo que viveu quando ele foi denunciado por abusar do filho mais velho dela, hoje com 17 anos”, contou.

Ao ser abordado, ele tentou fugir. “Os agentes foram prendê-lo e, logo que ele viu as agentes, tentou correr. Mas foi imobilizado, trazido para cá e confessou. A história que ele contou foi a mesma que a vítima contou”, disse Gomes.

Pena por outro abuso
De 2013 a abril deste ano o homem ficou preso em regime fechado por estupro de vulnerável. Desde então, ele foi beneficiado com o semiaberto, colocou uma tornozeleira eletrônica, começou a trabalhar no presídio e a ir dormir na casa da mãe.

Em julho, ele convenceu a mulher a deixá-lo voltar para a casa onde ela mora com os filhos - inclusive o enteado que foi estuprado aos 11 anos.

O homem deve ser autuado por estupro de vulnerável com agravante de ser pai da vítima. Se for condenado, ele pode ficar preso por até 22 anos.