Um jovem de 19 anos foi indiciado por trocar fotos pornográficas com um adolescente de 12 anos, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, mãe do menor descobriu mensagens no celular do filho e levou caso à delegacia. Conforme a corporação, os dois haviam se conhecido por meio de redes sociais. As informações são do G1.

O G1 não conseguiu localizar a defesa do jovem indiciado para comentar o caso.

O texto da publicação continua após a publicidade

Em entrevista ao G1, a delegada Fernanda Lima, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Formosa, disse que o jovem pedia e trocava fotos de nudez com o adolescente e, além disto, marcava encontros com o menor quando ele estivesse sozinho em casa para a prática de atos libidinosos.

“A mãe começou a desconfiar em março deste ano, porque o filho passou a usar senhas no celular e não deixava ela ver o que ele estava fazendo nas redes sociais. Ela conseguiu ter acesso ao aparelho em abril e viu as conversas inapropriadas com o autor, fazendo a denúncia na delegacia e entregando o celular para perícia”, afirmou a delegada.

O inquérito do caso foi concluído no último dia 12, depois de três meses de investigação por parte da DPCA. Segundo a corporação, o adolescente passou por avaliação psicológica no Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), que constatou que o menor está “com queda no rendimento escolar, sentimento de culpa e tendência ao isolamento”.

A delegada disse que os dois se conheceram na internet, trocaram números de telefones e, a partir de então, começaram a troca de mensagens e fotos pornográficas.

 “A maior parte das conversas ocorreu no WhatsApp. Até o momento não há novas denúncias nesse sentido. Esperamos que, com a divulgação da notícia, ocorra maior atenção e monitoramento dos pais para que novas vítimas desse autor ou de outros sejam identificadas”, disse.

O jovem vai responder por armazenamento e distribuição de material pornográfico infantil. Se condenado, pode pegar até quatro anos de prisão.