Aconteceu nesta terça-feira, 13, no Tribunal do Juri em Goianésia, o Juri Popular que culminou na condenação de Ernando Freitas Machado, de 32 anos, acusado de matar a tiros Akioshi Minomo Rosa, de 26 anos, durante uma cavalgada na tarde do dia 02 de julho de 2017. Ele foi condenado a 15 anos de prisão.

Relembre o fato
No início da tarde do dia 02 de julho de 2017, uma discussão em uma cavalgada terminou com duas pessoas baleadas, sendo que uma não resistiu aos ferimentos e morreu. O fato ocorreu na Avenida Minais Gerais, nas proximidades da Rua 06, Bairro Bougainville, região leste de Goianésia.

Conforme informações levantadas junto aos policiais, mais cedo teria ocorrido uma discussão em meio à cavalgada por causa de uma pinhola, no entanto, a turma do deixa disto conseguiu evitar naquele momento que a discussão tomasse maiores proporções.

Posteriormente, o autor dos disparos, identificado como Ernane de Tal, foi até sua residência e após soltar o cavalo se apossou de uma arma de fogo, provavelmente um revólver calibre 22, e ao retornar para a cavalgada efetuou disparos em direção a Akioshi Minomo Rosa, o alvejando no antebraço direito e tórax do lado direito. Neste instante, um amigo da vítima, Ézio Machado de Miranda, na época, com 24 anos, tentou intervir e também foi alvejado, só que no tórax do lado esquerdo.

Akioshi Minomo foi conduzido por terceiros para a Unidade de Pronto Atendimento - UPA, mas não resistiu e morreu instante depois de receber atendimento médico. A segunda vítima, Ézio Machado, recebeu os primeiros socorros no local pela equipe do Corpo de Bombeiros e em seguida foi transportado à UPA, enquanto que o autor evadiu e não foi encontrado pela Polícia.

Prisão do acusado
Arma utilizada no crime - Imagem: Divulgação/Polícia CivilErnando Freitas Machado foi preso na terça-feira, 04, por ser o principal suspeito de ter matado a tiros Akioshi Minomo. A arma utilizada no crime também foi apreendida.

O delegado responsável pelo, Marco Antônio Maia, explicou que as investigações começaram no mesmo dia do crime (domingo, 02,) e no dia seguinte, na segunda-feira, 03, já representou pela prisão do suspeito. De forma rápida, o Ministério Público, e o Poder Judiciário, manifestaram favoráveis à prisão temporária de Ernando.

O advogado do suspeito chegou a procurar a delegacia querendo apresentar seu cliente para que ele não ficasse preso, no entanto, o advogado foi informado que já havia um mandado de prisão em desfavor de Ernando Freitas que então resolveu se apresentar e entregar a arma de fogo.

De acordo com as investigações, foram realizados 04 disparos, sendo que dois alvejaram a vítima - Imagem: Divulgação/Polícia CivilMarco Antônio informou ainda que o suspeito confessou ter discutido com a vítima instantes antes do ocorrido, porém, negou que tenha sido por causa da pinhola. Após a discussão, Ernando teria ido até sua casa e após se apossar da arma de fogo retornou à cavalgada e realizou os disparos contra Akioshi. Em seu depoimento, Ernando disse que a sua intenção era alvejar apenas seu desafeto, porém, acabou alvejando uma segunda vítima, Ézio Machado. O suspeito alegou ainda legítima defesa.