Imagem: Divulgação/Polícia CivilPoliciais Civis lotados no GENARC - Grupo Especial de Repressão a Narcóticos, e na Delegacia de Polícia de Goianésia, realizaram uma operação na cidade e em menos de 24 horas 03 pessoas foram presas por serem suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas. Eles usavam uma artimanha inusitada para disfarçar o cheiro das drogas que estavam enterradas: fezes.

A primeira prisão ocorreu nos primeiro minutos desta quinta-feira, 23, no Residencial Paulo Dias, no momento em que Wiliam Monteiro de Souza, o Wilinha, de 24 anos, negociava uma porção média de maconha. Com ele ainda foi apreendido quase R$ 4.500 em dinheiro que estavam enterrados no fundo do imóvel.

Já por volta das 18h00 foram presos Flay Weverton Carvalho da Silva, de 20 anos, e seu comparsa Cleferton Carlos Andrade, vulgarmente conhecido por "Marreco", também de 20 anos. Com eles foram encontrados e apreendidos R$ 206 em dinheiro e uma porção pequena de crack.

Imagem: Divulgação/Polícia CivilSegundo a polícia, após uma intensa e minuciosa busca no quintal da "boca de fumo" foram encontradas (enterrados) uma balança de precisão digital e porções de maconha que estavam enterradas de baixo de sacos de lixo contendo fezes humanas. Porém, esta artimanha não funcionou, pois os policiais em campana anteriores à prisão dos suspeitos, presenciaram grande concentração de usuários no local adquirindo drogas e estranharam, até então, o fato de não terem encontrado drogas ali, no entanto, os policiais estranharam ainda o fato de um imóvel limpo e composto por sanitários em funcionamento perfeito está com odor de fezes humanas.

Depois desta suspeição, de imediato, outras porções de maconha foram encontradas na mesma situação das porções encontradas anteriormente. Assim, Flay e Cleferton foram autuados em flagrante delito pelos crimes de tráfico e associação para o tráfico. Já Wilinha foi autuado apenas pelo crime de tráfico de drogas.

O trio foi levado para a Delegacia de Polícia e após os procedimentos cabíveis serão encaminhados para o presídio de Goianésia onde ficará a disposição do Poder Judiciário.