A secretária estadual de Educação, Fátima Gavioli, disse que vai diminuir a quantidade de escolas conveniadas e manter apenas as que têm um trabalho social importante. A declaração foi dada durante uma entrevista ao vivo ao Jornal Popular, na noite de segunda-feira, 05.

Segundo Fátima, existem 67 escolas conveniadas atualmente no Estado, que representam um gasto anual de R$ 89 milhões. A secretária é crítica a este modelo, em que são cedidos professores pagos com dinheiro público e os estudantes não são contados em âmbito federal. Ela lamenta que os salários dos servidores destas escolas sejam tirados do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica - FUNDEB - e que estas instituições não sejam consideradas nos indicadores nacionais.

“É como se uma rede de loja de confecção tivesse uma rede concorrente, mas essa aqui fala: “Pode deixar que pago seus funcionários””, exemplificou a gestora.

Questionada se o modelo seria extinto, Fátima disse que isto não seria possível. Ela relatou que o governador pediu para manter as conveniadas com trabalho social importante e que ficam em locais sem vagas da rede estadual. “Vamos ofertar 50% dos professores (para estes casos). Eu acho muito justo”, garantiu a secretária.

A entrevista não teve uma repercussão positiva em Goianésia, uma vez que a cidade possui uma unidade conveniada: Colégio Maria Imaculada. Ainda não está muito claro o que poderá acontecer, no entanto, nossa reportagem segue na tentativa de buscar respostas. Na próxima semana, Gislene Fonseca, que é responde pela Secretaria Estadual de Educação, em Goianésia, estará falando com o Portal Meganésia sobre o assunto.