Imagem: Divulgação/Polícia MilitarNa sexta-feira, 07, o comando da 2ª Companhia, sediada em Barro Alto, recebeu informações de que um homem no Distrito de Souzalândia estaria praticando estupro de vulnerável contra uma adolescente de 13 anos, e além de filmar mostrava os vídeos para outras pessoas se vangloriando da situação em que expunha as partes íntimas da menor e demonstrando sua superioridade frente à vítima.

A denúncia dizia ainda que o homem também é suspeito de estar comercializando entorpecentes às claras do dia sem qualquer temor, pelo fato de ser um indivíduo temido no Distrito, e por possuir várias passagens criminais os cidadãos locais sentiam-se ameaçados.

No dia seguinte, logo pela manhã, por volta de 06h00, o CAP Castro e o CB Vagner iniciaram diligências no sentido averiguar a denúncia, identificar e localizar o suspeito A. D. V. S., de 31 anos, em locais que ele comumente frequentava, porém, os policiais foram informados que ele se encontrava viajando.

As diligências continuaram, porém, somente nesta quarta-feira, 10, por volta de 11h40 que A. D. V. S. foi encontrado em frente a sua residência. Ele foi submetido a abordagem e busca pessoal, e ao ser questionado negou as acusações, mas, a menor, bastante chorosa e amedrontada relatou que o autor iniciou os abusos dias atrás, não sabendo precisar quando, onde usando de ameaças, a pegava a caminho da escola e leva-a até sua residência e praticava o ato sexual, realizando também a filmagem.

A vítima explicou ainda que na manhã desta quarta-feira o fato se repetiu quando ia para a escola juntamente com seu irmão de 12 anos. De acordo com a menor, eles foram colocados à força dentro do carro e levados para casa dele, onde seu irmão ficou na sala, e ela foi levada para o quarto, local em que houve conjunção carnal, sem o uso de preservativo, e em seguida manteve os dois em cárcere privado proibindo-os de ir para a escola.

Ao receber voz de prisão em flagrante, A. D. V. S. teve seu aparelho celular apreendido e todos foram levados para a Delegacia de Polícia de Goianésia onde passaram por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal - IML. Se condenado, o suspeito pode pegar quase 20 anos de prisão.

"Precisamos da sociedade na resolução dos crimes, a prisão desse estuprador hoje pelo crime de estupro de vulnerável, só foi possível graças a confiança da população na Polícia Militar", salientou CAP Castro.